segunda-feira, 2 de setembro de 2019

NOMES DE CONSELHOS REGIONAIS DE ÁREAS EM CITAÇÕES E REFERÊNCIAS

Eli Lopes da Silva
Rosiane Maria


                Fomos interrogados por alunos do curso de Ciências Contábeis de uma instituição sobre como fazer citações e referências de entidades da área, como o Conselho Federal de Contabilidade ou os Conselhos Estaduais de Contabilidade.
          Na prática, é fácil resolver esta questão. Tanto a norma de citações – NBR 10520 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002) quanto a norma de referências – NBR 6023 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2018) trazem exemplos que podem sanar a dúvida.
                Primeiramente, vamos aos exemplos apresentados em ambas as normas que acabamos de citar. Na norma de citações temos:


EXEMPLO EXTRAÍDO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2002, p. 4):

No texto:
“Comunidade tem que poder ser intercambiada em qualquer circunstância, sem quaisquer restrições estatais, pelas moedas dos outros Estados-membros.” (COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPÉIAS, 1992, p. 34).

Na lista de referências:

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPÉIAS. A união européia. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 1992.


                Como podemos ver, o nome da instituição deve ser escrito por extenso.

Exemplo 1:
Na citação:
“O Exame será regido por este Edital e pela Resolução CFC n.° 1.486/2015 e executado pela Consultoria e Planejamento em Administração (Consulplan), sob sua inteira responsabilidade e controle.” (CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, 2019, p. 1).

Na lista de referências:
CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Edital do exame de suficiência edição n.° 01/2019. 2019. Disponível em: https://d3du0p87blxrg0.cloudfront.net/concursos/1506/1_888782.pdf. Acesso em: 19 ago. 2019.


Exemplo 2:
Na citação:
“A partir do ano de 2008 várias mudanças ocorreram nessa área e, por este motivo, é importante analisar como os municípios estão se adaptando às novas regras estabelecidas pelos órgãos responsáveis.” (CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, 2008, p. 3).

Na lista de referências:
CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Reforma tributária PEC n. 233/2008: uma contribuição do Conselho Federal de Contabilidade para a sociedade brasileira. Brasília, DF: CFC, 2008.


Mas, e quanto aos conselhos estaduais de Contabilidade?

Encontramos a resposta na NBR 6023: “Quando a instituição, vinculada a um órgão maior, tem uma denominação específica que a identifica, a entrada é feita diretamente pelo seu nome.” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2018, p. 38).

Por essa razão, sugerimos grafar CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA, CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS e assim nos demais casos.

Exemplo 3:
Na citação:
“Art. 8º As Normas Brasileiras de Contabilidade, com exceção dos Comunicados Técnicos, devem ser submetidas à audiência pública com duração mínima de 30 (trinta) dias.” (CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA, 2019, p. 38).

Na lista de referências:
CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA. Livro de bolso do profissional da contabilidade. 5. ed. Florianópolis: CRCSC, 2019. E-book.

Exemplo 4:
Na citação:
“Dada relevância das obrigações legais, recomenda-se que os profissionais da Contabilidade, entre outros procedimentos, orientem também seus colaboradores a atenção necessária para o cumprimento da Lei”. (CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA, 2016, p. 3).

Na lista de referências:
CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA. Perguntas e respostas sobre a aplicação da resolução CFC n.º 1.445/13. [2016]. Disponível em: https://cfc.org.br/wp-content/uploads/2016/12/Cartilha_COAF_CFC.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.


            Lembramos que o assunto aqui tratado é a forma de indicar as entidades nas citações e referências, não o tipo de documento citado. Por essa razão, note que os exemplos 1, 2 e 3 trazem diferentes tipos de documentos. Mas, para tal, é importante ficar atento ao documento referenciado.



REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação. Rio de janeiro: ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e documentação — Referências — Elaboração. Rio de janeiro: ABNT, 2018.

domingo, 1 de setembro de 2019

Um convite à humildade e tolerância

Reproduzo a seguir o discurso que fiz na formatura de meus alunos do Curso Superior de Tecnologia em Análise em Desenvolvimento de Sistemas, no dia 31/08/2019, quando tive a alegria de ter sido paraninfo e homenageado pela turma.


Boa noite a todos e  a todas.
“O meu respeito de professor à pessoa do educando, à sua curiosidade, à sua timidez, que não devo agravar com procedimentos inibidores, exige de mim o cultivo da humildade e da tolerância” (FREIRE, 1996, p. 67).

Essa frase não é minha. Quem me dera fosse. É de Paulo Freire, no livro Pedagogia da autonomia. Linda essa palavra “autonomia”. A gente educa para que a pessoa humana se transforme em sujeito de si. E não se educa sem AMOR.
Vocês, formandos, que saem do SENAC como tecnólogos em análise e desenvolvimento de sistemas, não se esqueçam desta palavra: AMOR.

E já que estou falando em sistemas, sei que vocês estudaram lógica de programação aqui no curso.  Do ponto de vista filosófico, lógica tem um sentido mais amplo: é um conjunto de normas que conduzem nosso pensamento.

Convido vocês para, a partir de agora, sempre que tiverem que tomar uma decisão lógica, ou seja, baseada em normas, lembrem-se  de que à lógica duas outras questões devem vir à tona: a estética que são as ideias que guiam seus sentimentos e a ética, que são os ideais que conduzem seus comportamentos.

Portanto, decisões normativas, ou lógicas, devem ser tomadas com sentimentos (a estética) e dotadas de bom comportamento (a ética).
Decisões infelizes se baseiam somente em normas ou sentimentos, perdendo de vista a tríade lógica, ética e estética.

Voltemos então à questão do amor: quando olhar para quem está ao seu lado, não se preocupe com sua cor, seu credo, sua condição financeira ou seu status. Olhe para o lado humano.
Retomando o mestre Paulo Freire: convido-os a cultivar a humildade e a tolerância, sem perder a alegria, a perseverança e a vontade de viver em um país mais humano e mais fraterno.

Parabéns! Saúde na nova empreitada e muito sucesso aos formandos.
Prof. Eli Lopes.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 29. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.